os textos do Gabito Nunes

vai por mim.

Não, não fica bem aparecer por lá agora, ainda. Faz só uma semana.  Ele vai estar naquela fase em que o canto dos pássaros na janela não lembra música, só ruídos verde-escuros. Ele está bem, evidente que está. Tem trinta e dois dentes, barba, um amigo que outro, discos do Nirvana, quem não estaria?

Não, não, chorando já é pedir demais.

Outra? Duvido muito. Os primeiros dias, vinte ou dez, a gente se dá conta de que não tem mais ninguém pra se arrumar, perfumar, ficar pronto. Ele deve estar com aquela calça cinza de algodão, caminhando de meias pela casa, apoiando a testa no vidro da janela, de vez em quando. Tomando coragem de olhar pra rua e o que vem por aí, depois de você.

Não, não telefona.

Me espera chegar. Do mesmo, de nada vai adiantar. Ele está justamente esperando por isso, testando as possibilidades, do fixo pro móvel, e vice-versa, pra checar mesmo se ambos estão cumprindo seu papel. E tá tudo em cima, funcionando, não vá estragar todo o processo de cura, os primeiros dias são elementares. Telefonar de bobeira pra ficar em silêncio do outro lado do mundo, enquanto ele espera que você diga “estou-arrependida-posso-voltar?”. Pra quê? Ele até já ensaiou o timbre pra dizer, como vai desdenhar um pouco de início, depois apresentar seu disfarce em condições infantis, aquele jeito frágil querendo parecer forte só pra mostrar que pode te proteger num anoitecer de segunda-feira.

Você não terminou porque precisava de mais atenção? Então, criatura.

Agora é o que ele mais precisa, depois de ouvir “não-dá-mais-vamos-terminar-isso-antes-que-alguém-se-machuque-mais”. A não ser que você queira parecer louca, aí guardo suas costas, vá em frente.

Se ele for realmente o Grande Amor da Sua Vida? Não é, vai por mim, a gente sempre sabe. Não pense maluquices. Ainda é cedo. O tempo pra surgir um novo amor leva uma eternidade, não se engane. Agora serão apenas uns casinhos sem importância, ele vai cultivar dois ou três, todos com a cor de cabelos, a voz e o cheiro bem diferentes dos seus. E mesmo que alguém apareça, o alarme dele não vai soar.

Não, você não é insubstituível. Mas também, o que você queria? Uma espécie de hipoteca amorosa? Um estepe sentimental? Não é assim. Ele é bacana, vai encontrar outrem um dia, vai conquistá-la com o mesmo mel que grudou você, ninguém perde a manha. Um pouco de ciúme é natural, poxa vida, você é gente, isso é parte integrante. E, fatalmente, vão se cruzar por aí. São tantas as esquinas. Vocês vão beber um café quente juntos, falar amenidades, sobre novos cortes de cabelo, você está bonita, e você mais maduro, como está sua mãe e tudo mais. Nos momentos de silêncio, baixarão o queixo, com medo de amarrar olhares e, talvez, voltar tudo aquilo outra vez.

Mas vai ser só isso.

Se existem outros caras legais por aí? Claro que sim. Vai por mim.

 

esse texto conversa comigo e conversa com a garota que acabou de acabar com alguém.

Gabito conta uma história sem nem ao menos contá-la. Você já sabe o que aconteceu, e quais os sentimentos e dúvidas dessa “voz misteriosa” que fala com esse cara que, aparentemente, é um amigo íntimo.

Gabito também é moderno, e eu gosto quando leio um texto que consigo identificar coisas do meu dia-a-dia, dá pra sentir que estou ali, que não sou só um telespectador.

O texto fala por si só, e continua falando mesmo depois do final. Vai por mim.

25 comments Add yours
  1. Olá,

    Esse texto me levou as lágrimas, pois assim como você citou, eu não li apenas a história, eu me senti dentro dela. Passei por um término recentemente e ficava com essas mesmas perguntas, devo ligar e dizer que estava errada? Estou fazendo falta? Sentirei ciúmes? No fim, ele respondeu todos os meus questionamentos e me me fez ter a certeza de que coisas melhores virão, só aguardar! Obrigada por me apresentar esse texto!

    beijos!

  2. Olá, tudo bem?

    Adorei seu post, eu não conheço o autor, mas pelo texto apresentado parece ser ótimo a escrita dele. Fiquei triste até, porque hoje já chorei devido problemas do dia a dia, e pensamentos sobre relacionamentos, que acabam apertando o coração. Parabéns pelo post.
    Bjs

  3. Assim como a Tati é incrível, Gabito é o cara! Aliás, eles sao apenas dois exemplos de cronistas modernos maravilhosos!
    Amo teus posts, de verdade!

  4. Adorei o texto, super profundo. Uma escrita bastante envolvente.
    Nunca tinha lido nada do autor, mas gostei bastante deste apresentado. Vou procurar mais sobre o autor.
    Adorei seu post, beijos!

  5. Olá!
    Não conhecia o texto, apesar ter ouvido falar do autor.
    É possível sentir a profundidade e a realidade que muitas vezes não admitimos, mas estão nas entrelinhas da nossa vida.
    Não tem como não refletir com essa leitura. Gostei bastante!
    Bjs.

  6. Nossa, que intensidade!
    Eu ainda não havia lido esse texto e mal conhecia o Gabito Nunes, mas gostei muito de você trazer o texto aqui no blog. Gostei muito da escrita dele e da mensagem que a leitura nos traz.

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *