leia: outros jeitos de usar a boca

De repente, trechos desse livros estavam sendo lançados na minha direção. Em todas as redes sociais, nas conversas informais, e nas sugestões dos blogs de literatura.

Eu fiquei tipo, “ok, isso deve ser grande.”

O meu problema com “modinhas” tanto literárias quanto cinematográficas, é que elas me fazem perder o interesse, antes mesmo que eu nutra uma paixão pela obra. Chame isso de paranoia.

“Milk and Honey” o título original do livro, é sensível, é forte, e é um choque de realidade. Esse livro é tão bom, tão bom, que tive que reler as mesmas frases dezenas de vezes. O incrível, é que sempre fora um sentimento novo.

É  honesto.

estou desfazendo você

da minha pele

Rupi fala sobre finais e as marcas dos finais, especialmente nessa frase. O fato da memória do outro estar tão presente, grudada, impregnada na pele, e a força que é necessária para arrancar alguém de você assim, fala mais sobre a pessoa que ficou, que sobre a que foi embora. E sobre a missão e o risco que é ir ou deixar ir. Desfazer alguém da sua pele, soa tão dolorido quanto provavelmente é. E eu acho incrível que milhares de histórias de amor estão presentes nessa frase pequenininha.

Então… Rupi Kaur, tem um dom. Ela consegue contar histórias longas, de horas, e anos, com apenas algumas palavras.

a dor

o amor

a ruptura 

a cura

Cada poema vai te levando pra um lugar. E quando você na parte final, você finalmente compreende o porquê da dor ser contada primeiro. Não é uma questão de “conveniência” poética. Não é por ser dor, que é o primeiro tópico do livro, é justamente por a cura ser o final de um processo de crescimento, amadurecimento, e construção de amor próprio e amor para com o mundo.

o final é…

um suspiro, é alívio.

por isso, vamos começar pelo início.

a dor.

talvez aqui seja onde mais me senti pessoalmente em conexão com a autora. ela estava contando algo grandioso, e algo que pode acontecer com qualquer um.

o amor.

é uma fogueira numa noite fria. é um soprinho no coração, e um arrepio na pele.

é também a parte mais erótica do livro. e é belo, como o amor deveria ser. mesmo assim, Rupi Kaur coloca muitas sutilezas, é como se desse pra sentir que a forma como você dói, é também a forma como você vai amar alguma vez na vida.

 

preciso de alguém

que conheça a dificuldade

tão bem quanto eu

alguém

disposto a colocar minhas pernas no colo

nos dias em que é muito difícil ficar em pé

o tipo de pessoa que ofereça 

exatamente o que eu preciso

antes que eu saiba o que preciso

o tipo de amante que me ouça

mesmo quando não falo

esse é o tipo de compreensão 

que eu exijo

essa parte do livro é cheia de pequenas narrativas, de talvez, experiências da própria escritora, a melhor parte sobre “o amor” é que não sabemos exatamente para quem ela está escrevendo.

o amor pode ser qualquer um.

a ruptura.

pra mim, é a parte mais honesta do livro. a autora não tem medo de falar.

eu não fui embora porque

eu deixei de te amar

eu fui embora porque quanto mais 

eu ficava menos

eu me amava

é preciso muita coragem pra assumir que amar alguém foi também o motivo de você deixar de se amar. e mais uma vez, há muito mais nessa página que “outro poema sobre amor”

andei até aqui

para te dar todas essas coisas

que você não tá nem olhando

diferente dá “dor,” a ruptura é sobre autoconhecimento, sobre aceitação, e sobre dar o primeiro passo para a cura. é o que vem depois do fim do amor, é o que continua. a ruptura não é só um espaço dividido ao meio.

a cura.

não chegamos na parte “bonitinha” ou “fácil de se ler,” é de se esperar que a cura seja a parte menos ácida e brutal, entretanto, é o contrário.

talvez, seja onde mais me encontro.

é preciso ter elegância 

para continuar sendo gentil

em situações difíceis

não há como colocar aqui o quão significativo é esse trecho do livro para mim. quando leio-o, sinto como se fosse levada de volta até os dias em que precisei engolir choros, sapos, e nãos. e dói, dói como se estivesse na primeira sessão dessa história, mas trás uma esperança descomunal.

a cura é sobre amor próprio, sobre se querer, e querer bem ao mundo. em nenhum momento é sobre a certeza de que parou de doer, mas, sobre lidar com a dor.

existe tanta beleza em outros jeitos de usar a boca, especialmente, porque ele vai significar algo diferente pra cada pessoa que o ler, a história é a mesma, em versões diferentes, olhos diferentes, bocas diferentes.

as ilustrações e a forma delicada que ela usa na edição do livro, sem o uso de acentuação, e sem as letras maiúsculas, é talvez a melhor representação da perfeição e desapego com a perfeição.

(por isso usei esse formato nesse post)

a arte completa as palavras, dá pra sentir que foram feitas uma para a outra.

quando você chegar no final, vai querer voltar pro inicio, e tudo bem.

outros jeitos de usar a boca, deve ser lido de trás pra frente, ao som da sua música favorita, no seu melhor lugar.

Rupi é excelente em representatividade, honestidade, e ironia. talvez, esses sejam meus elementos favoritos.

dor

  amor 

ruptura

cura

onde você está?

44 comments Add yours
  1. Só digo uma coisa… preciso urgente desse livro. Quantos trechos maravilhosos ♥ são tantas fases que a gente se identifica que nem sabe ao certo em qual está hahah.

  2. Ainda não o li, mas já fui conquistado pela construção poética e ilustrativa do livro, parece uma riqueza de sabedoria e sutileza que permeiam as páginas agradáveis dessa verdadeira obra prima que nos traz reflexões sobre o amor e como o vivemos, se somos beneficiados ou se causamos nosso próprio sofrimento por excessos que não deveriam acontecer. Enfim, nem sei o que dizer, vou garantir o meu o quanto antes!
    Abraços! 😊

  3. Que livro interessante!
    Estrutura diferente, poesia com ilustrações legais… nao se vê todo dia!
    e as frases que você citou fogem do clichê ao mesmo tempo que faz pensar “como nunca pensei nisso antes” rsrs
    Parabens pela resenha

  4. Acredito que este deva ser um daqueles livros que a gente tem sempre ao nosso alcance, tipo livro de cabeceira mesmo. Tô apaixonada pela tua resenha e tb já quero ele pra mim.
    Parabéns pelo post!

  5. Uaii esse livro parece ser incrível, só de ler os poemas já deu para perceber a intencidade <3 Amei, vou colocar na minha lista para ler. Seu blog é lindo, vou ficar por aqui vendo outros posts rs.
    Beijos.

  6. Livrio cheio de sentimentos diferenciados pelo que pude entender, adorei essa coisa do livro começar pela dor, pois para se ter uma cura no final, temos que passar por coisas que não queremos, né. To encantada com esse livro, vou procurar para ler.

  7. Gostei dele pelas maravilhosas frases, que leva você a uma reflexão intensa.

    gostei muito dessa, e me fez refletir bastante.

    “é preciso ter elegância

    para continuar sendo gentil

    em situações difíceis”.

    – Já quero comprar esse livro!

  8. Tirando por mim, respondendo a um trecho no texto.
    Confesso que dificil demais, se manter em elegancia e ser gentil em certos momentos de dificuldades.

  9. Já vi vários comentários bem positivos sobre esse livro, mas não sou muito fã de poemas, por isso ainda não o li. Mas adorei os trechos.

  10. Como estou sem tempo para uma leitura super interessante como essa e sei que tenho amigo que apreciam esse tipo de leitura, vou indicar para eles, pois sua resenha ficou bem legal

    Bjs (•_•)

  11. Olá, tudo bem?

    Quando vi este livro pela primeira vez julguei pela capa e título, mas depois de uma amiga indicar, comprei e fiquei completamente encantada. As poesias são sinceras e conseguem falar com o nosso interior, diante de tanta honestidade em suas palavras e verdades. Algumas poesias me afetaram muito forte e me fizeram suspirar fundo. Adorei seu post!

    Beijos!

  12. Confesso que já vi inúmeros elogios a esse livro mas não tinha me interessado, até agora. Tenho problemas com escrita em verso, normalmente não me envolvo, mas pelo que vi aqui esse livro vai conseguir mexer comigo.

  13. Amo livros ilustrados e as citações que mencionou são lindas e profundas…mas quando o assunto é poema, quem ama mesmo é meu marido, seria um bom presente!

  14. Meu primeiro contato com esse livro foi através de uma colega da etec, que estava lendo-o e sabendo que sou leitora, me indicou. Confesso que, com tantas leituras pra fazer, não consegui ainda lê-lo, mas já está na minha lista de leituras e com certeza lerei em breve ^^
    Ótima resenha

    Xoxo,
    Abby
    Blog Linhas Tortas

  15. Confesso que quando li o titulo eu imaginei algo totalmente diferente kkkk
    Vendo as ilustrações fiquei super curiosa para ler esse livro, são frases curtas mas de muito efeito, acho que eu ainda não li nada parecido rs

    1. hahaha quando comprei o livro minha mãe perguntou se eu tava “doida” por deixar um livro “desses” em cima da mesa hahaha

  16. Oi, tudo bem? Vi muitas indicações desse livro mas ainda não tive oportunidade de ler. Acredito que fim de relacionamento ou qualquer outro final é igualmente triste e traumatizante. Demora um certo tempo para nos recuperar e sentir bem novamente. Tudo é experiência. Beijos, Érika =^.^=

  17. Eu to muito apaixonada pelas suas resenhas. Você escreve com um sentimento muito bom, com uma paixão evidente… Não tem como não ficar encantada com suas palavras e morrendo de vontade de conhecer as obras que você fala aqui.
    Eu li um livro que o casal principal terminou de forma bem pesada no final. E como eu sou uma pessoa que sente MUITO quando está lendo, estou em uma fase de luto por eles. Acho que esse livro vai me ajudar a externar essa dor literária hahahaha. Obrigada pela dica!

    Xoxo,
    Abby
    Blog Linhas Tortas

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *